Travesti suspeito de matar policial é preso em Vitória, diz delegado

Travesti foi preso nesta tarde (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)Travesti foi preso nesta tarde
(Foto: Reprodução/ TV Gazeta)
Um travesti foi preso, na tarde deste domingo (30), suspeito de assassinar o policial rodoviário federal de 45 anos, encontrado morto dentro de um carro nesta manhã. Ele foi detido dentro de casa, no bairro Jabour, em Vitória, enquanto pintava o cabelo. O suspeito foi levado para a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para prestar esclarecimentos, mas negou ter cometido o crime. Ele será autuado por três crimes e levado para o Centro de Triagem de Viana, segundo o delegado Marcelo Cavalcanti.
O policial rodoviário federal foi encontrado morto dentro de um carro parado na Rua José Pinto da Silva, na Mata da Praia, na manhã deste domingo. A vítima foi vista por moradores, que avisaram a polícia. Ele estava nu e tinha quatro perfurações de bala, segundo a polícia. Pertences da vítima, como roupas e carteira com dinheiro, estavam no veículo, mas a arma do feredal não foi encontrada.
Vinte policiais rodoviários federais estavam junto com policiais civis no momento da prisão. O travesti tentou reagir, mas foi contido. Ele negou que tenha matado a vítima e contou outra versão. Ele teria sido abordado pelo policial nesta madrugada para fazer um programa, mas quando já estavam dentro do carro na Mata da Praia, um outro travesti e um homem os renderam. “Pediram que eu corresse e renderam o policial. Só ouvi os tiros”, disse.
Para o delegado Marcelo Cavalcanti, o crime não foi um latrocínio. O suspeito será autuado por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e sem chances de defesa por parte da vítima.
No final da noite, um homem suspeito de ser gerente do tráfico no bairro Jabour, onde o travesti foi preso, também foi levado à delegacia. Ele teria comprado a arma do policial das mãos do suspeito, mas a versão ainda não foi confirmada. O revólver ainda não foi localizado.
Mata da Praia
No bairro Mata da Praia, em Vitória, onde o policial foi encontrado morto, moradores comentaram que é comum a presença de travestis nas ruas. “Tem muitos pontos de encontro no bairro, também de prostitutas. Tem também uma boate própria para esse tipo de evento, então é muito comum, quase todos os dias vemos essas pessoas pelo bairro”, contou o aposentado Carlos Alberto Dalmazio.
Outra moradora, que não quis se identificar, confirmou. “Tem um ponto de encontro na calçada de um prédio, todo mundo vê, vai gente demais. Não chega a me incomodar, mas é a situação do bairro”, falou.
Perícia preliminar foi feita no local (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)Perícia preliminar foi feita no local (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)
Fonte:G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.