Tocantins registra cerca de 65% do total de chuva para o mês de março

Elisangela Farias

Reservatório transbordou e atingiu casas do setor Jardim Querido, em Porto Nacional (Foto: Eduardo Gouveia/Divulgação)Reservatório transbordou e atingiu casas do setor Jardim Querido, em Porto Nacional
(Foto: Eduardo Gouveia/Divulgação)
A quantidade de chuva que caiu no Tocantins no mês de março já representa cerca de 65% do previsto para todo o mês. A informação é do meteorologista da Fundação Universidade do Tocantins (Unitins), José Luiz Cabral. Segundo ele, pode se dizer que os indíces pluviométricos são considerados normais, se for levado em consideração que o estado está no período chuvoso.
“Começou irregular [período chuvoso], muito mal distribuído e as chuvas estão centralizadas”, diz, acrescentando que o total pluviométrico não foi bom em dezembro, mas foi superado nos meses de janeiro e fevereiro. Cabral observa ainda que em algumas cidades, que fazem parte da bacia dos rios Araguaia e Tocantins, há registro da necessidade de chuva. “No mapa da região central existem locais com volume significativo e outros faltando chuva.”
Conforme relatório da Defesa Civil, dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) mostram que Araguatins, Dianópolis, Marianópolis do Tocantins e Peixe estão entre os municípios que mais registraram chuvas no mês de março . As altos índices têm deixado pessoas desalojadas, como aconteceu no domingo (9), na cidade de Porto Nacional, quando uma barragem teria transbordado.
Conforme a Defesa Civil, em Araguatins já choveu 198,2mm no mês de março. Em Peixe foi registrado 167,2 mm de chuva, o que corresponde a 72% do total esperado para o mês. Os níveis dos rios também subiram. Segundo o órgão, em Xambioá, a cota para alerta é de 6,5m e foi registrado 6.54m este mês. Em Tocantinópolis, o nível normal que é de 4,51m, subiu para 6,72m.
O major Carlos Eduardo Farias, da Defesa Civil, explica que o órgão está fazendo o monitoramento e a condição de alerta é definida pelos níveis dos rios. Ele ressalta que algumas das cidades do Bico do Papagaio já estão em cota de alerta, mas não que isso não significa que vão ter problemas.

“A chuva está dentro da previsão. Essa previsão é a média dos últimos 30 anos. O que pode acontecer, o que eu está previsto para chover em um mês, chove em um dia, aí vai trazer problema.”
Fonte:G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.