MEC pede a Ministério da Justiça informações sobre protesto na UFSC

Géssica Valentini

Policiais tentam negociar saída do jovem do campus da UFSC (Foto: Helio Rodak De Quadros Junior/Divulgação)Policiais tentam negociar saída do jovem do campus da UFSC (Foto: Helio Rodak De Quadros Junior/Divulgação)
O Ministério da Educação solicitou ao Ministério da Justiça esclarecimentos sobre o confronto entre policiais, estudantes, servidores e professores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis. O ato ocorreu na terça-feira (25), após a detenção de um jovem que, segundo aUFSC, estava com maconha no campus, e o pedido do MEC foi feito nesta terça (26). 
Segundo a UFSC, o jovem foi detido pela Polícia Federal (PF) por volta das 15h de terça-feira (26). Cerca de 300 pessoas tentaram impedir a detenção, em protesto contra a ação policial. A Tropa de Choque da Polícia Militar foi chamada e usou bombas de efeito moral e balas de borracha para dispersar os manifestantes. Dois carros oficiais foram virados pelos manifestantes durante o tumulto, um da PF e outro da segurança do campus. Alunos e e professores foram atingidos por spray de pimenta e balas de borracha.
De acordo com o MEC, assim que receber as informações do Ministério da Justiça e da UFSC, “tomará as medidas cabíveis, com o rigor que o caso exige”, disse, em nota.
Polícia utiliza bombas de efeito moral para dispersar jovens (Foto: Osvaldo Sagaz/CBN Diário)Polícia utilizou bombas de efeito moral para
dispersar jovens (Foto: Osvaldo Sagaz/CBN Diário)
Protesto
Segundo a Polícia Federal, após o confronto, cinco jovens com idades de 18, 19, 22, 23 e 29 anos foram detidos por porte de drogas e levados para a sede da PF.
Eles assinaram um termo circunstanciado e foram liberados ainda na terça-feira (25). Depois da confusão, dezenas de estudantes ocuparam a reitoria do campus e permaneciam no local até a tarde desta quarta (26).
Posição da Polícia Federal
De acordo com o delegado da Polícia Federal Paulo Cesar Cassiano Júnior, a PF tem informações sobre o consumo e o tráfico de entorpecentes no campus, o que motivou a ação. “A Polícia Federal esteve no campus da Universidade porque nós temos informações que nos levam àquele local como um local onde o uso e o tráfico de entorpecentes é bastante comum. Foram essas informações que nos levou até o local e nós logramos efetuar as prisões em flagrante”, declarou.
Segundo ele, a tropa de choque da Polícia Militar foi chamada para auxiliar na dispersão dos estudantes.

Posição da UFSC
Em nota divulgada na noite desta terça-feira (25), a reitoria da UFSC informou que “foi vítima de uma ação violenta e desnecessária, comandada por Delegados da Polícia Federal, ferindo profundamente a autonomia universitária e os direitos humanos e qualquer protocolo que regule as relações entre as instituições neste país”.
Fonte:G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.