Impressões de Frank Killer – BBB14: Tribunais

Tribunais
Se o critério for de jogo dos concursantes ou das torcidas, Marcelo teria que ficar. Mas, se os critérios forem de justiça, Cássio tem que ficar. Essa é apenas a minha opinião. Depois podemos cuidar do Cássio, se for esse o caso. Agora quem está sendo julgado é o Marcelo. Você decide que critérios quer usar. Suponhamos que você quer usar critérios de justiça nesse paredão. Nesse caso as seguintes considerações precisam ser levadas em conta:

1 – A acusação é de abuso qualificado contra vítima incapacitada para defender-se por si. Note que o abuso é de confiança, não de atentado ou abuso sexual. A acusação e a defesa já apresentaram seus argumentos ao tribunal. Você não pode julgar outros “crimes” na mesma acusação. Por exemplo, a acusação acrescenta ao abuso, maus tratos e tratamento indigno. Então a acusação é de abuso seguido de tratamento undigno. Se você não der crédito à acusação, é porque não houve crime ou delito. Ponto.

2 – Um crime ou delito é separado dos atributos pessoais de acusadores e acusados. Ao dar provimento a uma acusação de crime ou delito por outros motivos, você estará inocentando um culpado da acusação atual e dando razão a ele. Lembra-se do que falei sobre razão? A razão pura é universal e necessária. Ela exclui condições que não são universais e necessárias, portanto.

3 – Um abuso é sempre abuso em qualquer situação (universalidade) e não um ato sob determinadas condições (necessidade). O que é obrigatório decidir é se houve abuso demonstrado pelos fatos. Se quiser ajuntar atenuantes ou agravantes em qualquer caso, não cabem, porque o que está sendo julgado é um ato específico seguido de outro e não outros atos ou atitudes ou qualidades, etc, dos envolvidos.

4 – O ato em si diz do caráter de quem o praticou, se foi real ou imaginário. Se foi imaginário é lícito inocentar o réu. Se foi real, é mandatório sentenciar o réu dentro do espírito da lei e da justiça. E a sentença cabível em um RS é somente uma: eliminação do programa.

5 – É isso! Caso você esteja disposto a agir com justiça, só tem que se prender a isso.

Embora as atitudes da produção tenham direcionado a formação desse paredão, você é livre para concordar ou não com isso e punir ou não a produção com seu veredito. Se achar que a produção errou e, em minha opinião pessoal errou, você pode contrariar a produção com seu voto. Como entenderá isso é contigo, ou seja, através da eliminação de um ou do outro. Aí é contigo, repito.

Você pode eliminar um agora e depois o outro caso não concorde com nenhum dos dois e, a ordem em que fará isso é importante. Logicamente se acha um dos lados o certo, punirá o outro. O risco que você corre é errar na oportunidade certa para fazer isso, ou seja, fazer justiça na ordem incorreta.

Por outro lado o próprio programa já reconhece que o RS não deve ser considerado em termos de justiça. Portanto você está liberado disso, mas observe: se isso for verdade, porquê estão apresentando com tanto denodo um aparente julgamento judicial para você com direcionismos nitidamente semelhantes aos de tribunais? Será para você decidir em termos de justiça ou para decidir em termos de outra coisa?

Tenha em mente que a produção está dando uma de “Poncius Pilatus”, lavando as mãos e deixando a “batata quente” em suas mãos. O que você decidir agora será uma resposta para eles e se sairão lindamente da enrascada em que se meteram se você decidir não agir com justiça, que é a tese em que eles se sustentam.

O que a maioria decidir os “inocentará” ou condenará. Pense nisso! Se considera uma questão importante, aja em acordo!

Quando se trata de um fã recém-chegado e desonesto e não é fã de nenhum dos emparedados, eventualmente poderá optar em votar pela saída do que ele acha ser o maior favorito. Não seria recomendável fazer isso, primeiro porque ele não pode ter certeza de quem é o maior favorito e nem se seu preferido o é. Em segundo lugar, se ele próprio tem dúvida se seu preferido é o favorito, provavelmente terá maior dúvida se outros são mais favoritos ou não. 
Corre-se dois riscos e pratica-se uma injustiça com tais atitudes. Os risco são que o maior favorito se salve e torne-se ainda mais forte com o retorno, por um lado e, no outro, seu preferido seja detectado e passe a ser marcado pelas torcidas ou torcedores honestos. Acredito que quase todos já sabem quais são as torcidas desonestas. 
A injustiça é que, sendo fraco o seu preferido, está ocupando a vaga de alguém mais merecedor permanecer no Reality porque você é fascistoide. Seu candidato não seria merecedor e, portanto, não vai mesmo vencer. Hipoteticamente ele não seria merecedor porque você torce por ele sem levar em conta questões como merecimento. Analise isso com isenção e verá que é verdade. O correto seria eximir-se de votar, se seu preferido não está no paredão!
Em um tribunal cada crime é julgado separadamente. Múltiplos processos rolam separados para múltiplos crimes ou acusações diferentes da mesma pessoa. Os crimes ou as acusações são julgados em determinadas ordens, geralmente por graus de gravidade ou rigor das penas para cada caso.
Obviamente crimes claros são julgados primeiro ou nos casos em que a culpa em um processe facilite o julgamento dos seguintes. Essas ordens são importantes para uma otimização da aplicação da justiça.
“Valber Souza 20 de março de 2014 01:57
Compreendo sim, mas da seguinte forma: Quem muita das vezes protagoniza merece ser o vencedor…” “…poderiam serem um pouco mais imparciais, mas é só uma crítica construtiva…”.
Discordo frontalmente desse ponto de vista, Valber. Protagonismo é algo para ser visto na avaliação de atrizes e atores principais em peças teatrais, novelas e filmes, isto é, ficções. Em Reality Shows, você não deve guiar-se por protagonismos e menos ainda por jogo ou qualidade do jogo. Você deve ver a verdade das pessoas, ou a realidade (reality, capta?) delas. Realidade é verdade e ficção é mentira. Transponha mentira ou ficção para protagonismo e você chega lá!
Você está vendo a peça errada. É como se você estivesse avaliando a personalidade e os atributos de uma pessoa através de um personagem em uma performance artística. Uma coisa nada tem a ver com a outra. Isso que você quer ver (protagonismo) é em peças teatrais. Em Realities você deve procurar qualidades e defeitos das pessoais, não sua arte teatral. O mesmo raciocínio aplica-se a palhaços, trapezistas, ilusionistas, cantores, imitadores, atletas, equilibristas, etc, e até a cozinheiros.
No caso, você está comparando atributos do Diego com “atuações” do Marcelo e sendo completamente sofismático. Está vendo o que quer ver e deixando de ver o que não quer. Está cegando a si próprio com antolhos, exatamente como a Angela, que desligou o botão da memória por tática de jogo. Está enfiando a cara na areia…
Outra coisa: Você, pelo visto, sempre achará que não é imparcial quem não concorda com seus pontos de vista ou com suas preferências. Já pensou nisso? Sua crítica “construtiva” visa seus interesses empáticos e ela não é interessante por essa causa.
“Baleiro F.C 21 de março de 2014 03:07
a tática da globo é a mesma utilizada na televisão.”
Captei o que quer dizer, Baleiro. O uso do cachimbo faz a boca torta. O que se faz em TV é diferente do que se faz na mídia escrita, falada e eletrônica (internet). A operação é diversa, as finalidades são diferentes e as razões são específicas para cada um. Querer aplicar o mesmo tratamento é de uma impropriedade que beiraria a ingenuidade, se não fosse cupidez. Somente mentes mesquinhas e sem bom senso pensariam diferentemente. 
Surfar em pranchas é diferente de nadar no mar, embora seja tudo nas mesmas aguas. Surfar na internet é diferente de “sapear” canais de TV com um controle remoto. Criar marcas registradas para concepção funcional de sites e portais como propriedade intelectual mataria fulminantemente a internet.
Se você deseja criar sites exclusivos como propriedade intelectual e aplicativos para uso público, utilize códigos-objetos em ferramentos e aplicativos em linguagens de baixo nível próprios, sem utilizar as ferramentas públicas em meta linguagens, linguagens de alto nível e as facilidades abertas disponibilizadas publicamente de terceiros e sem utilizar as facilidades gráficas do Windows e dos “browsers” públicos e gratuitos. Se fosse assim, os autores desses softwares poderiam cobrar da Globo a utilização deles ou exigir licenciamento. 
Qual é a da Globo? Quer utilizar software de propriedade intelectual alheia gratuita para criar propriedade intelectual própria paga? Seria então o caso de partilhar com eles os lucros comerciais obtidos assim, como parceiros comerciais.
Se você ler com atenção as condições para uso dos sofrwares gratuitos, vai notar que eles vedam o uso dos mesmos para uso comercial ou obtenção de lucros, mas isso é porque eles são realmente propriedade intelectual e concebidos com engenharia própria em códigos que lidam diretamente com os conjuntos padrão de instruções dos processadores básicos e com a utilização de linguagens de baixo nível (Assembly, linguagem de máquina, etc). Quem é da área sabe do que falo. Se fosse assim, nem a Globo e nem ninguém poderia copiar qualquer coisa de um portal/site/blog para outro, incluindo notícias.
“ronaldo perez 21 de março de 2014 20:49
O menos pior que pode “salvar” o BBB 14 é Cássio que para mim é o menos vilão ali.”
Não penso assim. Cássio não é o menos vilão ou o menos herói. A questão nesse paredão não é a personalidade do Cássio ou do Marcelo (é uma outra estória), mas uma acusação que deve ser julgada se foi verdadeira ou falsa. Para mim houve agravantes com agressões com almofadadas e agua no rosto com “boas intenções”. Seria abuso com tratamento indigno. Os partidários do Marcelo esquecem esses fatos propositalmente para uma defesa parcial. Quanto mais o tempo passa mais elas serão “esquecidos” ou desacreditados por quem não viu ao vivo ou é tendencioso.
A grande verdade é que as preferências já estão cristalizadas e ninguém mais enxergará atos ruins ou bons. Agora cada um pode praticar as maiores atrocidades e seus fãs farão vista grossa ou tomarão partidos que os beneficiem, sem honestidade e com fanatismos injustificados, se é que algum fanatismo é justificado. O Bial estaria com razão só nesse ponto, qual seja o que na reta final não há critérios de justiça.
“O Observador 21 de março de 2014 21:17
Tu vê alguma salvação pros futuros BBBs? Diante dos problemas das torcidas organizadas, empresários, etc.”
Sim. Que tal honestidade? Que tal lisura, imparcialidade e profissionalismo? Que tal critérios justos de apuração de votos? Que tal vídeos editados com honestidade, igualitários e com equidade? Que tal provas justas e sem direcionismos? Que tal deixar a audiência decidir sem interferências? Etc, etc, etc. Muita coisa está errada e se eliminarmos pelo menos a metade já será um grande passo.
“Rubia 21 de março de 2014 23:33
…Boninho quer usar o poder que tem somente para satisfazer a sua própria vontade…pois deveria usar essa influencia toda pra escrever novela, assim colocaria os personagens da forma que bem entende.”
É justa a sua indignação, Rubia. Essa dúvida me assalta vez ou outra. O que parece é que ele é um autor de ficção frustrado e parece ter fixação em protagonismo, performances e adoração por personagens de ficção! Observe os super-heróis que sempre aparecem ou as “novelinhas” e charges que cria ou apresenta no Reality! Isso diz muito dele.
Roni e Diego foram eliminados com quase os mesmos percentuais (60 e 61%). Alguém duvida que as duas principais torcidas que os eliminaram não são as mesmas? Traços comuns: cozinham bem, estavam em casal e eram equivocadamente ou tendenciosamente “representantes” de machistas ou tidos como, o que constitui contradição.

Clara falou para Angela e Slim que a Vanessa queria que ela votasse no Slim. Tradução: Clara sabe que a aproximação entre Vanessa e Slim não é de seu (da Clara) interesse na parceria dela com a Vanessa.

Em minha opinião, paredões sempre são julgamentos de atributos pessoais, mas é muito comum a apresentação de confrontos de idéias e atitudes ou atos que ocorrem entre os concursantes (chamados “tretas” pelos concursantes e alguns até emparedam os companheiros para submeterem-se ao julgamento do público). Assim os demais concursantes obtêm respostas no sentido de saberem se apoiaram um ou outro correta ou erradamente.

Angela, por exemplo, já tem a sua resposta. Ela apoiou o Marcelo no paredão contra o Diego e a Vanessa, porque ela queria a eliminação do Diego ou da Vanessa. Nesse ela sabe que o Marcelo não está com a razão e não está disposta a colocar a mão no fogo por ele, mantendo-se neutra. Há alguma dúvida de que ela não está com amnésia? Alguém duvida que está jogando pesado e com hipocrisia?

Estrelas no PPV: Clara e Vanessa – 2; Valter – 3; Angela – 4; Cássio, Marcelo e Polly – 5. Dados coletados em 22/03/2014 às 3h00.

   Twitter: @frankkiller04 (twitter.com/frankkiller04)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.