Forças Armadas vão apurar casos de tortura em unidades militares, diz CNV

Juliana Braga


A Comissão Nacional da Verdade anunciou nesta terça (1º) que o ministro da Defesa, Celso Amorim, comunicou ao coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Pedro Dallari, que serão abertos processos de sindicância no Exército, na Marinha e na Aeronáutica para apurar casos de tortura em unidades militares durante a ditadura.
Em 18 de fevereiro, a CNV fez, diretamente ao ministro Amorim, o pedido de instauração das sindicâncias internas, a fim de apurar fatos administrativos relacionados aos sete principais centros de tortura listados pelo grupo.
Procurada, a assessoria de imprensa do Ministério da Defesa afirmou ainda não ter sido informada da decisão. Apesar de o Ministério da Defesa não confirmar, a Comissão da Verdade disponibilizou os ofícios encaminhados pelo ministério com as providências adotadas. No documento assinado pelo comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, por exemplo , ele informa a Amorim a abertura do procedimento investigatório, “considerando a importância e urgência que o assunto requer”.
Em reportagem publicada nesta terça pelo portal G1, o coordenador da Comissão da Verdade, Pedro Dallari, afirmou que o Ministério da Defesa estava “jogando com o tempo” com o objetivo de liberar respostas a solicitações feitas pelo grupo somente quando não fosse mais possível incluí-las no relatório final, que será concluído em dezembro. O ministério respondeu que “não há, não houve, e não haverá qualquer tentativa de retardar qualquer tipo de informação”.
Segundo a CNV, o Ministério da Defesa encaminhou os pedidos de instauração de sindicâncias aos comandantes de cada uma das três forças em 19 de fevereiro, um dia após a CNV solicitar a investigação.
No último dia 25, o Exército informou ao Ministério da Defesa que abriu a sindicância e que também vai buscar informações sobre o assunto em “órgãos de direção setorial”. Marinha e Aeronáutica responderam na segunda-feira (31). Na Aeronáutica, o comandante Juniti Saito encarregou o major-brigadeiro do Ar Raul Botelho a cuidar da sindicância.
Desvirtuamento de uso
Em 18 de fevereiro, a Comissão da Verdade solicitou ao ministro da Defesa a apuração de quais circunstâncias motivaram “o desvirtuamento do uso” de sete unidades militares do Exército, Marinha e Aeronáutica.
Segundo a CNV, essas unidades são as seguintes:
– Rio de Janeiro: Destacamento de Operações de Informações do I Exército (DOI/I Ex); 1ª Companhia de Polícia do Exército da Vila Militar; Base Naval da Ilha das Flores; Base Aérea do Galeão (Rio de Janeiro); Destacamento de Operações de Informações do II Exército (DOI/II Ex).
– São Paulo: Destacamento de Operações de Informações do II Exército (DOI/II Ex);
– Recife: Destacamento de Operações de Informações do IV Exército (DOI/IV Ex);
– Belo Horizonte: Quartel do 12º Regimento de Infantaria do Exército.
No ofício entregue a Amorim, a comissão ressalta que é “notoriamente sabido” que nessas instalações houve a “perpetração de graves violações de direitos humanos”, em alguns casos com mortes, “de forma mais intensa” ao longo das décadas de 1960 e 1970.
Segundo a assessoria da Comissão da Verdade, somente dois desses locais não estão mais em funcionamento: o DOI/I Ex, do Rio, e o DOI/II Ex, da capital paulista. As demais unidades militares, informaram os integrantes da comissão, ainda estão em atividade.
Documento enviado pelo comandante do Exército ao ministro da Defesa informando sobre a abertura de investigação para apuração de casos de tortura (Foto: Reprodução)Documento enviado pelo comandante do Exército ao ministro da Defesa informando sobre a abertura de investigação para apuração de casos de tortura (Foto: Reprodução)
 Fonte:G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.