Em jogo de gol relâmpago e lances bizarros, Bahia bate o Jacuipense

O ponteiro do relógio ainda não tinha completado uma volta quando o Bahia abriu o placar na Arena Fonte Nova. O gol de Branquinho, anotado aos 12 segundos, abriu caminho para a vitória por 2 a 1 sobre o Jacuipense, na tarde deste domingo, pela 6ª rodada da 2ª fase do Campeonato Baiano. Além do gol relâmpago, a partida foi marcada por sarrafos, expulsões e lances bizarros. Os outros gols da partida foram marcados por Thiago Alagoano, pelo lado do Jacuipense, e Titi, pelo Tricolor.
Apesar da vitória, o Bahia não convenceu. Foi uma atuação apagada do time comandado por Marquinhos Santos. Com os três pontos, porém, o time segue na liderança do Grupo 3, com 11 pontos, e está bem perto da classificação para as semifinais.
Já a vida do Jacuipense não está nada fácil. A equipe continua na lanterna do Grupo 2, com cinco pontos, quatro a menos que o Vitória da Conquista, vice-líder. A classificação para a próxima fase ficou muito distante.
Bahia e Jacuipense só entram em campo no próximo final de semana. No sábado, o Juazeirense recebe o Serrano no estádio de Pituaçu. Já o Bahia viaja para enfrentar o Vitória da Conquista no estádio Lomanto Junior, no domingo. 
Gol relâmpago e lances bizarros
O torcedor mais desatento não teve a oportunidade de acompanhar o primeiro gol do Bahia. Com apenas 12 segundos de bola rolando, Anderson Talisca pressionou a defesa adversária, roubou a bola dentro da área e bateu para o gol. Márcio Greyk até fez grande defesa, mas não conseguiu impedir o gol de Branquinho no rebote. Quem esperava por uma goleada, porém, ficou desapontado. O Bahia diminuiu o ritmo, não conseguiu encaixar os contra-ataques e permitiu que o Jacuipense crescesse no jogo. E, aos 26 minutos, um lance bizarro. Rafinha roubou uma bola ainda no campo de defesa e partiu para o ataque completamente livre de marcação. Da entrada da área, tentou encobrir o goleiro com uma cavadinha. O recurso refinado falhou e o atacante passou vergonha. Caiu no gramado, pediu atendimento médico e deixou a partida. 
O repertório de lances bizarros não ficou restrito a Rafinha. O gol do Jacuipense saiu de uma jogada infeliz do zagueiro Lucas Fonseca. Após bate-rebate na área, ele tentou afastar o perigo com um chutão, mas a bola encontrou a perna direita do atacante Thiago Alagoano e morreu no fundo das redes de Marcelo Lomba. Quando o destino do primeiro tempo parecia resolvido, Titi apareceu para contrariar as expectativas. Ele aproveitou cruzamento de Anderson Talisca e, como se fosse um centroavante, mandou com estilo para o gol. Bahia 2 a 1.
Expulsões e mais trapalhadas
A partida recomeçou morna na Arena Fonte Nova. Embora tenha começado melhor na segunda etapa, o Bahia não conseguia chegar com perigo na área do Jacuipense, bem postado defensivamente. Quando o jogo finalmente esquentou, não foi por um drible desconcertante ou uma finalização certeira. Aos 13 minutos, o zagueiro Lucas Fonseca e o meia Marcel se enroscaram no campo defesa e o árbitro não pensou duas vezes antes de mostrar o cartão vermelho para os dois. 
Com dois jogadores a menos em campo, os espaços começaram a aparecer e as chances de gol não demoraram a surgir para ambos os lados. A oportunidade do Jacuipense surgiu a partir de mais uma trapalhada da defesa do Bahia, dessa vez de Rafael Miranda. Com a bola dominada dentro da área, o volante tricolor cochilou e perdeu a bola para Thiago Alagoano. O gol só não saiu porque Marcelo Lomba fez uma defesa espetacular. Na sequência, foi a vez de o Bahia levar perigo. Anderson Talisca entrou na área driblando a defesa adversária e quase marcou um belo gol. Márcio Greyk evitou. Antes do apito final, ainda deu tempo de o árbitro mandar outro jogador para o chuveiro mais cedo. Meidson fez falta dura em Madson e foi expulso.
Fonte:Globoesporte.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.