‘Em Família’: Laerte e Shirley se beijam e quase transam

Irritado por ter sido deixado por Verônica (Helena Ranaldi), que foi visitar Selma (Ana Beatriz Nogueira) em Goiânia, Laerte (Gabriel Braga Nunes) vai jantar na casa de Shirley (Vivianne Pasmanter), na novela Em Família. A fazendeira logo repara que o flautista está sozinho no Rio e provoca: “ah, se você tivesse dito que ela não vinha, eu transferia esse jantarzinho aqui em casa para outro dia! Sem ela não tem graça!”. O músico explica que só soube que Verônica não estava em casa quando chegou. Assim que vê uma oportunidade, ela joga charme para o amor de infância, mas ele corta, falando de negócios. ”E por falar em arte e investimento, quero muito conversar com você sobre nosso galpão cultural”, começa. ”Claro! Vamos conversar sim! Mas primeiro vamos aproveitar esse momento em família! É tão raro! Depois conversamos de negócios! A noite está apenas começando!”, diz Shirley.  Depois do jantar, quando todos já estão dormindo, os dois resolvem conversar sobre os negócios e vão para a beira da piscina, beber champanhe. O clima, então, começa a esquentar entre eles. “Falando em sonhos…o galpão está sendo um investimento difícil de fazer acontecer, sabia? Difícil, não. Não é bem essa palavra. No fundo, sinto um receio, eu acho…”, diz o músico. As informações são do jornal Extra.

“Receio de que, Laerte?”, instiga. “Insegurança boba. Não sei. Momentânea. Às vezes acredito que tudo vai dar certo! Mas às vezes, confesso, tenho um medo que não fique da maneira que eu idealizei. Meio doido, né?”, comenta ele. “É humano. Normal. Mas eu só conheço uma maneira de enfrentar o medo. Com coragem. Não pode se deixar dominar por ele… senão nunca seremos felizes. Você é feliz, Laerte?”, questiona a fazendeira. “Feliz? Sinceramente, não paro muito pra pensar nisso. O lugar comum é dizer que a felicidade é feita de momentos. Em alguns momentos, como hoje, sou feliz”, responde. “E com a Verônica, é?”, provoca. “Ah, Shirley. A Verônica é uma mulher maravilhosa. Uma ex-aluna aplicada, nota 10 em tudo, mas…”, afirma. ”Não me respondeu se é feliz com ela”, pergunta novamente. “Sou, sou, mas a verdade é que desde que chegamos no Brasil ela está diferente. Está durona comigo e mais ainda com ela mesma, sabe? Aí perde o compasso, entende? Está sem leveza. A sua leveza, por exemplo”, responde. O clima fica mais forte, eles se aproximam mais e Shirley pede: “me beija”. O pai de Leto se deixa levar. Eles se afastam e relembram o tempo em que eram adolescentes em Goiânia. ”Você é adorável, sabia? Sempre foi”, elogia Laerte. “Apaixonada, é bem diferente. E isso faz de mim adorável pra você. Veja. Essa tatuagem é você. O que tem de você em mim. Além do nosso filho. Ele me lembra que a gente só teve uma noite, mas ficou pra sempre”, explica a vilã. ”Mas já acabou. Faz parte do passado. Tivemos a história do tamanho que era pra ser”, corta Laerte, indo embora. ”Não importa. Não vai embora não. Fica mais. Dorme comigo aqui. Eu sei que você quer”, pede. Laerte quase cede. “Ainda que queira, não posso. Ou melhor, não devo. Não dá. Vou embora. Pode dizer que estou fugindo, porque estou mesmo. Não precisa me acompanhar. Eu sei o caminho. Amei estar com você hoje”, fala, dando um selinho na mãe de seu filho.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.