Defesa Social apresenta presos em operação contra o tráfico em Maceió

Carlos Alexandre de Araújo Cavalcante e Érika Regina foram presos no Tabuleiro do Martins. (Foto: Roberta Cólen/G1)Carlos Alexandre de Araújo Cavalcante e Érika
Regina foram presos na Forene.
(Foto: Roberta Cólen/G1)
A Secretaria da Defesa Social apresentou, no fim da manhã desta quarta-feira (19), quatro pessoas suspeitas de entregarem uma quadrilha de tráfico de crack em Maceió. Sendo que três são da mesma família.
O secretário da Defesa Social, Eduardo Tavares, diz que a intenção é prender outros suspeitos que fazem parte do esquema. “Há mais pessoas, mas hoje prendemos quatro. Eles vendem excluivamente crack e vendiam cerca de 50 kg da droga por mês, o que corresponde R$ 600 mil”, afirma.
A operação deflagrada por militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), com apoio do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc), do Ministério Público Estadual (MPE), prendeu, na madrugada desta quarta-feira (19), três pessoas da mesma família suspeitas de tráfico de entorpecentes em Maceió.
Edson José Felizmirno (às esq) é apontado como um dos maiores fornedocres de crack e ao lado está  Fabiano Martins que estava na casa dossuspeito no momento em que os pliciaisi chegaram. (Foto: Roberta Cólen/G1)Edson José Felizmirno (às esq) é apontado como chefe do crack; ao lado Fabiano Martins que estava na casa do suspeito no momento em que os policiais chegaram. (Foto: Roberta Cólen/G1)
Edson José Felizmirno foi preso em sua casa no bairro da Serraria. Segundo o promotor de Justiça Alfredo Gaspar de Mendonça, que comandou a operação, ele já estava sendo monitorado pelo Gecoc há algumas semanas e é considerado um dos maiores fornecedores de entorpecentes da capital. Ao todo, foram cumpridos três mandados de prisão expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital.
“Ele atendia a várias quadrilhas. Como os traficantes sabiam que o suspeito tinha um dos maiores estoques de drogas de Maceió, compravam suas mercadorias. Ou seja, o Felizmirno conseguia se beneficiar de todos os lados, já que mantinha relação com diferentes bandos. Além disso, ele não agia sozinho, trabalhava em família”, explicou o promotor.
Na casa de Felizmirno a polícia prendeu em flagrante um quarto suspeito, identificado como Fabiano Martins. Com eles, o Gecoc apreendeu um veículo Toyota, Etios, de cor prata. Felizmirno, também conhecido como “Paulista”, já tem passagem pela polícia.

Em 2010 ele foi preso após o descobrimento de um laboratório que refinava cocaína, no povoado de Massagueira, que seria de sua propriedade. Fabiano, cujo apelido é “Motoboy”, também já foi preso por tráfico de drogas na época que residia em São Paulo.
Felizmirno, também conhecido como “Paulista”, já tem passagem pela polícia. Em 2010 ele foi preso após o descobrimento de um laboratório que refinava cocaína, no povoado de Massagueira, que seria de sua propriedade. Fabiano, cujo apelido é “Motoboy”, também já foi preso por tráfico de drogas na época que residia em São Paulo.
Forene
Carlos Alexandre de Araújo Cavalcante e Érika Regina Freitas dos Santos, gênro e filha de Felizmirno, também foram presos. Eles foram detidos em uma residência no bairro Brasil Novo, na Forene. Com o casal foi apreendido um carro Corsa, de cor cinza.
Na casa, a polícia descobriu uma espécie de cisterna que ficava dentro do banheiro, onde parte da droga era escondida. Lá, foram achados quatro quilos de crack. A droga estava coberta com concreto e cerâmica. Com o casal também foi apreendida uma arma de fogo e cerca de R$ 13 mil em espécie.
De acordo com o secretário Eduardo Tavares, dois carros foram comprados com o dinheiro do tráfico. “Os veículos foram confiscados e serão usados em benefício da União”, diz.
Fonte:G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.