CNBB pede combate eficaz a racismo e violência durante a Copa do Mundo

Filipe Matoso

Dom Raymundo Damasceno, presidente da CNBB (Foto: Carlos Santos/G1)Dom Raymundo Damasceno, presidente da CNBB
(Foto: Carlos Santos / G1)
A Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou mensagem nesta quinta-feira (13) na qual pediu um combate eficaz ao racismo durante a Copa do Mundo, que será realizada no país entre junho e julho deste ano. A entidade da Igreja Católica também defendeu que as autoridades do país assegurem a segurança da população sem o uso de violência em meio ao evento esportivo.
Na mensagem, lida pelo presidente da CNBB,Dom Raymundo Damasceno, a entidade afirmou que o sucesso da Copa não será medido pelos lucros que o mundial irá proporcionar aos patrocinadores.
“O sucesso da Copa do Mundo não se medirá pelos valores que injetará na economia local ou pelos lucros que proporcionará aos seus patrocinadores. Seu êxito estará na garantia de segurança para todos sem o uso da violência, no respeito ao direito às pacíficas manifestações de rua, na criação de mecanismos que impeçam o trabalho escravo, o tráfico humano e a exploração sexual, sobretudo, de pessoas socialmente vulneráveis. E se combater eficazmente o racismo e a violência”, diz a mensagem.
O sucesso da Copa do Mundo não se medirá pelos valores que injetará na economia local ou pelos lucros que proporcionará aos seus patrocinadores. Seu êxito estará na garantia de segurança para todos sem o uso da violência, no respeito ao direito às pacíficas manifestações de rua (…) E se combater eficazmente o racismo e a violência”
Dom Raymundo Damasceno, presidente da CNBB
No documento divulgado nesta quinta, a CNBB também pondera que “não é possível” aceitar que famílias tenham sido removidas de suas moradias apenas para viabilizar a construção de obras para o mundial da Fifa.
“Não é possível aceitar que, por causa da Copa, famílias e comunidades inteiras tenham sido removidas para a construção de estádios e de outras obras estruturantes, numa clara violação do direito à moradia. Tampouco se pode admitir que a Copa aprofunde as desigualdades urbanas e a degradação ambiental e justifique a instauração progressiva de uma institucionalidade de exceção, mediante decretos, medidas provisórias, portarias e resoluções”, afirmou a entidade.
Segundo Dom Raymundo Damasceno, a confederação dos bispos defende que o evento esportivo seja a “Copa pela paz”. A mesma mensagem também tem sido divulgada pela presidente Dilma Rousseff em redes sociais.
Apesar da coincidência, o presidente da CNBB ressalta que o texto divulgado pela confederação começou a ser elaborado há seis meses e não tem relação com o governo federal.
“A Copa se torna, portanto, ocasião para refletir com a sociedade sobre as relações pacíficas e culturais entre todos os povos, bem como sobre os aspectos sociais e econômicos que envolvem o esporte, que é harmonia, desde que o dinheiro e o sucesso não prevaleçam como objeto final, conforme alerta o Papa Francisco”, diz a entidade.

Em entrevista a jornalistas, Dom Raymundo lançou o projeto “Copa da Paz”. “Por meio destas iniciativas, a Igreja se faz presente na vida política e social do país cumprindo sua missão evangelizadora”, argumentou o dirigente.
Reforma política
Nesta quinta, a CNBB informou que a Igreja Católica irá propor ao Congresso Nacional cinco pontos para a reforma política. Dom Raymundo Damasceno não especificou quais pontos serão abordados ou como serão tratados no projeto.
O religioso disse, no entanto, que a instituição “atenta” sobre o financiamento de campanhas – o tema está sob análise no Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo Dom Raymundo, a Igreja “não sabe” se conseguirá levar o projeto ao Congresso antes das eleições deste ano.
“Vamos propor alguns pontos para a reforma política, chegamos à convergência sobre esses pontos e estamos incentivando a coleta de assinaturas para alcançar 1,5 milhão de assinaturas e levar um projeto ao Congresso, e desencadear a reforma política. Se vamos conseguir levar isso ao Congresso antes das eleições, ainda não sabemos, queremos que isso aconteça, mas não sabemos se iremos alcançar este número exigido [1,5 milhão de assinaturas de apoio a projetos de iniciativa popular”, disse.
Ainda de acordo com Dom Raymundo Damasceno, a Igreja Católica prepara uma cartilha que deverá ser entregue pelas paróquias aos fiéis com o objetivo de conscientizá-los sobre a importância do voto.
Um ano do papado de Francisco
Na entrevista coletiva, Dom Raymundo Damasceno leu mensagem que foi enviada pela CNBB ao Papa Francisco parabenizando-o por completar um ano à frente da Igreja Católica.
“Desde aquele primeiro ‘buona sera’ [boa noite, em italiano], até hoje, um intenso caminho foi percorrido. O estilo pastoral com o qual Vossa Santidade exerce o Ministério, a linguagem humana no encontro com as pessoas, a profundidade espiritual das homilias, quase diárias, na Capela de Santa Marta, as reformas na cúria são alguns elementos, dentre muitos, que têm sido suscitado muita alegria e esperança na Igreja e em outros ambientes”, disse a entidade na mensagem enviada a Francisco.
O dirigente da CNBB relembrou a ida de Francisco à Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, ano passado.
“Desde o primeiro momento da sua eleição, quando se apresentou no balcão da Basílica de São Pedro, diante da multidão, Francisco surpreendeu pela maneira de saudar, muito familiar, as pessoas pedindo ao povo que rezasse por ele, um gesto de humildade”, completou.
Fonte:G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.