Agência americana abre processo para bloquear compra da Activision Blizzard pela Microsoft


Comissão Federal de Comércio dos EUA, que fiscaliza concorrência e monopólios, alega que aquisição no valor de US$ 69 milhões afetaria de forma negativa preços de games e a experiência dos consumidores. Microsoft anuncia compra da gigante dos games Activision Blizzard, criadora de sucessos como ‘Call of Duty’ e ‘Candy Crush’
Dado Ruvic/Illustration/Reuters
A Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês) entrou com uma ação nesta quinta-feira (8) para bloquear a compra da Activision Blizzard pela Microsoft. Anunciada em janeiro, a aquisição por quase US$ 69 milhões (cerca de R$ 379 bilhões) era uma a maior da história na indústria de games.
LEIA MAIS: Conheça as maiores aquisições da indústria de games
A agência independente do governo americano é responsável pela fiscalização da concorrência entre empresas e monopólios no país. No processo, ela alega que a compra daria à Microsoft “tanto os meios quanto os motivos para prejudicar a concorrência”.
Segundo o órgão, o acordo pode impactar negativamente os preços de games, assim como a qualidade dos produtos e a experiência dos consumidores.
A compra faria da Microsoft a terceira maior empresa de games do mundo, por reunir a plataforma e os estúdios da fabricante do Xbox e o portfólio da Activision, que inclui jogos como “Call of Duty”, “Overwatch”, “World of Warcraft”, “Candy Crush” e a franquia de Tony Hawk.
“Hoje nós buscamos impedir a Microsoft de tomar o controle sobre um estúdio independente de jogos que lidera o mercado e de usá-lo para prejudicar a concorrência em diversos mercados de games dinâmicos e de rápido crescimento”, afirmou a diretora do Bureau de Concorrência da FTC, Holly Vedova, em comunicado.
O presidente da Microsoft, Brad Smith, defendeu a compra em publicações no Twitter. “Continuamos a acreditar que o nosso negócio para adquirir a Activision Blizzard vai expandir a concorrência e criar mais oportunidades para jogadores e desenvolvedores de games”, escreveu o executivo.
“Estivemos comprometidos desde o primeiro dia para responder a preocupações sobre concorrência, incluindo ao aceitar, esta semana, concessões propostas pela FTC. Enquanto acreditamos em dar uma chance à paz, temos total confiança no nosso caso e agradecemos a oportunidade de apresentá-lo em um tribunal.”
Situação antes da compra
Atualmente, a Activision Blizzard tem cerca de 400 milhões de jogadores ativos mensais em 190 países e franquias que valem bilhões de dólares. Embora a empresa não divulgue números de seus jogos, avaliadores do mercado de games estimam que o Candy Crush movimente até US$ 3 milhões por dia. As receitas do jogo cresceram 20% em 2021 e ele foi a franquia mais lucrativa em lojas de aplicativos nos Estados Unidos.
Em setembro de 2020, a Microsoft já havia comprado a a ZeniMax Media, empresa proprietária da Bethesda Softworks, desenvolvedora e publicadora de jogos, por US$ 7,5 bilhões de dólares, cerca de R$ 40 bilhões.
A transação ocorre em meio a um processo de assédio sexual movido, em julho de 2021, pelo Departamento de Emprego e Habitação da Califórnia contra a Activision Blizzard.
O órgão acusa a desenvolvedora de games de casos de assédio sexual, agressão e de manter um ambiente hostil contra mulheres, que recebiam salários desiguais e enfrentavam retaliações.
Em agosto, o presidente da Blizzard, Allen Brack, deixou o comando da empresa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.