Aécio cobra responsabilidade por prejuízo de US$ 1 bilhão da Petrobras

Felipe Néri

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) subiu à tribuna nesta quarta-feira (19) para cobrar responsabilidades por um prejuízo de mais de US$ 1 bilhão, segundo ele, na aquisição, pela Petrobras, de uma refinaria de Petróleo em Pasadena, nos Estados Unidos. No discurso, Aécio disse ter ficado “surpreso” com uma nota divulgada pela Presidência dizendo que a presidente Dilma Rousseff votou a favor do negócio em 2006 sem conhecer cláusulas do contrato, que mais tarde obrigariam a estatal brasileira a desembolsar mais dinheiro para a compra.
Em 2006, quando Dilma era ministra da Casa Civil e presidente do Conselho de Administração da Petrobras, a estatal pagou US$ 360 milhões à empresa belga Astra Oil para adquirir 50% da refinaria. No ano anterior, essa mesma parte havia sido adquirida pela empresa belga po US$ 42 milhões. Em 2008, após desentendimentos com a Astra Oil, a Petrobras foi obrigada a pagar US$ 820,5 milhões para comprar a outra metade. Ao final, o negócio custou à estatal US$ 1,18 bilhão.
Nesta quarta, a Presidência da República afirmou que Dilma Rousseff se baseou em um parecer “falho” quando votou favoravelmente à compra de 50% de uma refinaria no Texas (EUA) pela Petrobras em 2006. Em nota, o Planalto disse que a cláusula que obrigava a Petrobras a comprar 100% da refinaria em caso de desentendimento foi omitida no documento que serviu de base para o Conselho de Administração da estatal aprovar a compra.
Uma ex-ministra de Minas e Energia, cantada em verso e prosa como grande conhecedora e especialista nesse segmento, foi enganada por um parecer juridicamente falho e por informações incompletas”
“Uma decisão dessa magnitude, tomada por uma ex-ministra de Minas e Energia, cantada em verso e prosa como grande conhecedora e especialista nesse segmento, foi enganada por um parecer juridicamente falho e por informações incompletas”, criticou Aécio no Senado.
Aécio disse que o responsável pelo parecer, o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, deveria ter sido afastado e estar respondendo a inquérito.
“Não, o sr. Nelson Cerveró foi elevado a condição de diretor financeiro da BR Distribuidora”, disse o senador. “Pasmem, senhoras e senhores, é essa a função que ocupa o responsável”, completou.
“Foi algo extremamente grave, e não há mais condições de permitirmos a terceirização de responsabilidade. Os membros do Conselho de Administração têm que explicar de maneira cabal e definitiva o caso à sociedade brasileira […]. Não há justificativa que não seja a gestão temerária do patrimônio de todos os brasileiros”, declarou.

Logo no início do discurso, a senadora Gleisi Hoffmann e ex-ministra da Casa Civil, tentou interromper Aécio, que negou o aparte. Depois, ela chamou o senador de “oportunista” por criticar o negócio anos depois de sua concretização.
“Pergunto a vossa excelência por que não usou dessa mesma forma para tratar desse tema antes, já que alguns veículos de comunicação já colocavam esse tema na imprensa”, disse a senadora. “Não ouvi, não me recordo de manifestação com veemência de vossa excelência em outra oportunidade”.
Aécio rebateu e disse ver com “decepção” a manifestação da senadora. “Aguardava de vossa excelência novos argumentos, informações que de alguma forma viessem a contradizer o que estou dizendo, o prejuízo da Petrobras”, disse. Ele disse que o PSDB pediu informações à Petrobras e uma investigação sobre o negócio à Procuradoria-Geral da República.
Atualmente, a compra é objeto de inquérito na Polícia Federal e de fiscalização pelo Tribunal de Contas da União. Aécio disse que cabe à Comissão de Fiscalização e Controle do Senado apurar e acompanhar o caso.
Fonte:G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.